Pandemia virou palco político e eleitoreiro

Em mais uma live, FEDERASUL busca caminhos para  superar a crise

A Federasul promoveu, nesta quarta (05) mais uma série da live “Como superar a crise”. Os convidados desta edição foram o cientista político e escritor, Percival Pugina e o ex-secretário e jornalista, Cléber Benvegnú. O encontro, que durou cerca de uma hora e meia, foi realizado na fanpage oficial da FEDERASUL. Presentes também a presidente Simone Leite e o vice-presidente Anderson Cardoso.

Para iniciar o debate, a presidente e seu vice falaram sobre as alterações no Plano de Distanciamento do Estado, que passou a permitir, com restrições, o retorno das atividades econômicas do comércio e do setor de serviços/alimentação: “É uma pequena demonstração de que está passando o pior momento”, disse Simone.

O escritor Percival Puggina, criticou os inúmeros protocolos sanitários e de restrições como ineficientes pela “falta de nexo e lógica, aliados a inexistência de embasamento científico”. Sobre mais uma crise, Puggina ironizou “as crises são senhoras que acompanham a todos nós. Todos temos uma ou umas…”.  

Ex-secretário de Comunicação e depois, Chefe da Casa Civil do governo Sartori, o jornalista e consultor político, Cléber Benvegnú, criticou o modo que foi conduzido a gestão da pandemia – que é considerada uma das mais agudas das últimas décadas, e com efeito restritivo nas atividades econômicas. Ele afirmou que o erro principal foi o de todos os setores terem aceitado que uma única regra valia para tudo: “Fechar tudo se transformou num mantra, numa única alternativa prática de defesa à vida. Infelizmente a pandemia virou palco para decisões unilaterais e com fins eleitoreiros”.

A FEDERASUL reafirmou que a segurança sanitária, imposta por meio dos protocolos, sempre foram seguidos pela classe produtiva. “O ambiente das empresas é o local mais seguro”, diz Simone.

[addtoany]
PUBLICADO EM: 5 de agosto de 2020