Inova Receita: Fisco e entidades debatem evento para modernizar e simplificar a gestão tributária

A Receita Estadual realizou, na última sexta-feira (10), o primeiro passo para o desenvolvimento do Inova Receita, um evento que irá promover o debate e estabelecer as prioridades para modernização, simplificação e inovação da gestão tributária. Reforçando a ideia de aproximação e cooperação entre Fisco e contribuintes, diversos representantes de entidades foram convidados a participar do encontro para cocriação do evento Inova Receita, que deverá ocorrer entre maio e junho deste ano. A reunião contou com a participação de profissionais da Receita Estadual, Procergs, AGAD, AGAS, CRC, Fecomércio, Federasul e Fiergs.

Por meio de técnicas como desing thinking e brainstorming, os participantes da reunião, que ocorreu no Laboratório de Inovação da Procergs, em Porto Alegre, compartilharam ideias e debateram como funcionará a atividade, quem serão os participantes, quais temas serão debatidos e quais os resultados esperados com o Inova Receita. Segundo o subsecretário da Receita Estadual, Ricardo Neves Pereira, a iniciativa visa quebrar certos paradigmas, qualificar o relacionamento, melhorar o ambiente de negócios e encontrar soluções para o desenvolvimento do Estado. “Se queremos construir um evento para estimular a cooperação entre Fisco e contribuintes, nada melhor que as duas partes participem dessa ação desde a sua origem, ou seja, na própria concepção de como será o Inova Receita”, afirmou.

Receita 2030

O Inova Receita é uma das ações que integram o chamado “Receita 2030”, que consiste em 30 iniciativas propostas para construção de uma Receita Digital, mais moderna e eficiente. O projeto surgiu a partir do Decreto nº 54.477/19, no qual foram estabelecidos prazos para apresentação de propostas para otimização e eficiência das receitas do poder Executivo. O conjunto de ações foi segmentado em seis grandes grupos, relativos a cada um dos incisos do Decreto: I) simplificação das obrigações acessórias; II) qualificação do relacionamento com os contribuintes; III) incremento da eficiência da arrecadação e da fiscalização; IV) racionalização do uso de recursos e redução do custeio da administração tributária; V) políticas de desenvolvimento dos setores econômicos; e VI) benefícios fiscais.

PUBLICADO EM: 13 de maio de 2019