FEDERASUL lidera movimento conjunto histórico pela flexibilização das atividades já na Páscoa

Num encontro remoto que reuniu cerca de 100 lideranças, entre prefeitos, vice-prefeitos, secretários e empresários, acordou-se que a entidade vai liderar renovação do pleito, junto ao governador, de reabertura das atividades econômicas já neste final de semana de Páscoa

Depois de uma reunião pela manhã com deputados estaduais, quase uma centena de representantes municipais, entre empresários, dezenas de prefeitos e lideranças participaram, na noite de ontem (31) de uma reunião remota histórica promovida pela FEDERASUL em prol da abertura da economia já nesta Páscoa.

Coordenada pelo presidente da entidade, Anderson Trautman Cardoso, o encontro ouviu os prefeitos e suas realidades que, numa só voz, manifestaram-se pela flexibilização das atividades econômicas a partir deste final de semana: “Seria o socorro necessário à economia, sobretudo aos setores mais afetados, com a devida proteção à saúde, a partir do respeitos aos protocolos sanitários”.

O encontro criou robustez ao pleito que já havia sido encaminhado pela FEDERASUL ao Governo do Estado na última semana e produziu uma carta que foi entregue ao governador Eduardo Leite, nesta manhã (01) com a assinatura de todos participantes, além de outros prefeitos, deputados estaduais e outras lideranças do Estado.

Em duas laudas, com timbre da FEDERASUL e FECOMÉRCIO, o documento reitera “pedido de alteração nas medidas sanitárias extraordinárias para fins de prevenção e de enfrentamento à pandemia relativa ao novo coronavírus, visando a minimizar os efeitos da grave crise econômica que estamos enfrentando”.

Durante a reunião realizada ontem, Prefeitos se pronunciaram mostrando suas realidades, como em Julio de Castilhos, por exemplo, que ofertava 30 cestas básicas por mês e agora são 30 por “dia”, 900 por mês. Os depoimentos trouxeram a realidade dura enfrentada nos municípios do Interior gaúcho. As restrições ao trabalho têm reduzido drasticamente a arrecadação e os gestores municipais relatam que o desemprego tem aumentado exponencialmente em todas as regiões do Estado. Num mesmo tom, criticaram a demora na resposta do Governador e ratificaram que, diante dos protocolos sanitários adotados pelas empresas, não têm tido qualquer exemplo de que a atividade econômica em seus municípios tenha contribuído para a disseminação da COVID-19.

A carta enumera três “bons” motivos para alterar os protocolos já neste final de semana: 1) os espaços empresariais são ambientes seguros e controlados com os rígidos protocolos de segurança previstos na legislação; 2) com atividades produtivas fechadas, sem opções de locais que ofereçam atividades seguras, a população optará pela aglomeração clandestina, e 3) a permissão para o exercício das atividades seria o socorro necessário à economia, sobretudo aos setores mais afetados.

[addtoany]
PUBLICADO EM: 1 de abril de 2021