Empreender é reinventar-se diariamente, afirma executivo da Buser

Live Tá na Mesa desta quarta-feira (11) debateu as oportunidades de negócios via plataformas digitais

FOTO: REPRODUÇÃO/FACEBOOK/FEDERASUL

Transporte e alimentação, dois serviços essenciais tanto no ponto de vista biológico como no sentido de facilitar a vida moderna. Com o avanço e a constante modificação das tecnologias e suas ferramentas, os impactos de serviços como a plataforma de serviços de delivery IFood, tenham crescido mesmo com o cenário pandêmico em vigência. No segmento de transporte, a Buser vem se destacando por conciliar a relação custo e benefício, principalmente neste momento de quase pós-pandemia. O setor, submetido a uma abrupta interrupção, viu seu crescimento se expandir em apenas um trimestre.

De acordo com o diretor Jurídico e de Políticas Públicas da Buser, Caio Franco, a plataforma de intermediação  se recuperou e cresceu em um período de 90 dias, mais do que o acumulado de um ano, comparado com 2019. “A pandemia reforçou aquilo que todos sabemos: é preciso disponibilizar melhores serviços com custos acessíveis. A Buser busca unir o útil ao agradável, sendo a interface entre empresas que possuem frotas regulares com um público que busca melhores serviços e condições atrativas”.

Para Diego Barreto, CFO do IFood, a crise promoveu a digitalização e acelerou processos de implantação de sistemas e ecossistemas digitais. “A tecnologia viabiliza a construção e o recomeço econômico. Ela é transparente, ágil e agregadora. Só consegue sobreviver como empreendedor, nestes novos tempos, quem acordar para mudanças comportamentais e de negócios”. Outro ponto abordado foram os impactos da digitalização nos pequenos negócios, principalmente os localizados no interior.

Ambos os executivos salientaram, novamente, para a observação nas questões culturais. ”Não dá para ser tradicional e não querer acompanhar as exigências do mercado. Ser avesso à tecnologia é fadar o negócio ao abismo. Só sobreviverá quem reinventar-se, ser inovador e revisitar, constantemente, o modelo de negócio”, salientou Caio Franco.

2021: EXPECTATIVAS

Barreto descreve o próximo ano como “perigoso”, dado à questão de que podemos estar olhando dados positivos porque estamos comparando com números oriundos de um período de depressão econômico. Em suma, um crescimento artificial que proporciona uma falsa sensação de crescimento real. A IFood aposta em 2021 como “a consolidação de um ecossistema robusto e fortalecendo relações”.

A Buser vê como um ciclo que será aproveitado para “aumentar, democratizar e eficientizar o acesso à plataforma”. Para Caio Franco, a empresa está conectada e atenta a todas as mudanças e oscilações comportamentais e prioridades particulares de cada um. Além disso, 2021 será repleto de desafios, principalmente estruturais (gerenciar o próprio crescimento) e conjunturais.

O encontro foi mediado pela presidente da FEDERASUL, Simone Leite, e o vice-presidente Jurídico, Anderson Cardoso.

[addtoany]
PUBLICADO EM: 11 de novembro de 2020