6ª Jornada da Integração fala em fomento do empreendedorismo e pede mais capacitação

O encontro reuniu as regiões da fronteira oeste e central

                A sexta Jornada da Integração, que reuniu as regiões da fronteira oeste e central, foi aberta pelo presidente da FEDERASUL, Anderson Trautman Cardoso, que falou rapidamente das ações que a entidade está liderando para solucionar problemas do setor. Logo em seguida, o vice-presidente de integração, Rodrigo Sousa Costa abriu a Jornada, explicando como ela funciona e passou a palavra para o vice-presidente da micro e pequena empresa, Rafael Goelzer, que lembrou aos participantes que o objetivo é identificar as necessidades, criar estratégias e entregar as soluções. Ainda abertura, falou o vice-presidente de infraestrutura, Antonio Carlos Bacchieri Duarte, que explicou a sistemática das jornadas lembrando que as pautas abordadas terão seguimento junto das autoridades.

         Com demandas mais direcionadas à gestão e ao fomento do empreendedorismo, o vice-presidente regional da região central , Julio Battistella relatou que, ainda na sexta (26) uma reunião preparatória dos municípios que integram a região (16) definiu as  pautas. Elas  foram apresentadas por Jader Gaklik, diretor regional da FEDERASUL  e presidente da ACI de Tupanciretã: fortalecimento das ACIS; programas de capacitação com vistas ao aumento do desemprego; fortalecimento do microcrédito com desburocratização; auxilio nas campanhas de conscientização da COVI-19; segurança pública com fortalecimento do PISEG; geração de empregos e renda e infraestrutura, com o foco na BR-290.

         Participou da Jornada, Ricardo Jobim, da rede de comunicação do Diário de Santa Maria. Ele falou sobre a importância da união dos empresários e se queixou da falta de informações econômicas por região. Pediu a ajuda da FEDERASUL para conseguir reunir os dados e cumprimentou pelo “espírito de união regional”.

         Outro problema sério que a quarta região enfrenta, neste caso, a microrregião de São João de Polesine, é a falta de mão de obra capacitada e a ausência de infraestrutura habitacional. “O movimento de retorno das cidades grandes para as pequenas está produzindo sérias necessidades como falta de capacitação na prestação de serviços e déficit habitacional, explicou Jacqueline Maria Schmitz Milanesi.

         No encerramento, o vice-presidente de integração, Rodrigo Sousa Costa lembrou dos recursos que vão entrar na economia a partir da colheita da safra. “Quando o dinheiro começar a entrar a economia vai encontrar respostas”, concluiu.

 

[addtoany]
PUBLICADO EM: 29 de março de 2021