Marketing estratégico para vender valor

Imprensa (2)-min

Preço e produto ficam em segundo plano nas ações de marketing do século XXI

 

Planejar campanhas com foco na simples promoção e oferta de mercadorias já não é mais a melhor opção para os profissionais da área de marketing. Com a alta exigência do cliente e com um maior número de concorrentes, cada vez mais dinâmicos e eficientes, as empresas têm apostado em ferramentas on-line e de fácil aproximação com o mercado para conquistar seu espaço. De acordo com os convidados do Tá na Mesa, da Federação de Entidades Empresariais do Rio Grande do Sul (Federasul), desta quarta-feira (8), o segredo agora é oferecer valor ao cliente.

Segundo a diretora de Marketing e Canais da Icatu Seguros, Aura Rebelo, é importante humanizar as campanhas e despertar a emoção dos consumidores. “Precisamos mobilizar as pessoas a adquirirem o hábito de lembrar do nosso produto”, refletiu.

Para isso, o fundador da Invent Conhecimento Estratégico, Adriano Amui, lembra que é fundamental uma mudança na forma de atuação. “O marketing não pode pensar a organização de forma isolada. Nós precisamos pensar no todo e estamos atentos ao mercado e às escolhas do cliente. Planejar e executar”, observou.

Junto a essa mudança de perfil, é preciso também extinguir a ideia de cadeia de valor, segundo o diretor de Acesso ao Mercado da Bayer, Ivan Moreno. De acordo com ele, o marketing deve pensar a empresa como parte de uma rede de valor, em que clientes, parceiros, influenciadores e viabilizadores atuem de forma integrada. “Nós não temos mais aquela cadeia de valor linear, em que cada personagem fazia uma parte do processo. Hoje tudo é simultâneo”, observou.

Diante da agilidade das redes sociais e da possibilidade de troca de informações, o desafio do marketing tornou-se ainda mais complexo, tendo como função maior sensibilizar pessoas. Segundo Aura, o marketing precisa ter sempre como mantras a simplificação, a conscientização e a inovação.