Brasil e Paraguai buscam impulsionar integração produtiva e aumentar corrente de comércio

O ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira, participou nesta segunda-feira, no Palácio do Planalto, de cerimônia Oficial de Chegada do Presidente do Paraguai, Horácio Cartes, ao Brasil. Cartes foi recebido pelo Presidente da República, Michel Temer, ao lado de vários ministros de Estado. Logo após a recepção, foi realizada uma reunião bilateral ampliada, da qual o ministro Marcos Pereira também participou.

Dentre as várias demandas comerciais, o Brasil busca firmar com o Paraguai um acordo automotivo a fim de impulsionar a integração produtiva e aumentar a corrente de comércio entre os dois países. No próximo dia 15 de setembro, o ministro Marcos Pereira deve se reunir com o Ministro da Indústria e Comércio do Paraguai, Gustavo Leite, durante a reunião de ministros de Comércio do Mercosul, em São Paulo.

Intercâmbio comercial

De janeiro a julho de 2017, as exportações brasileiras ao Paraguai cresceram 26,6% em relação ao mesmo período do ano anterior, alcançando US$ 1,4 bilhões. Já as importações brasileiras provenientes do Paraguai cresceram 5,71% em relação ao mesmo período do ano anterior, totalizando US$ 688 milhões.

Dessa forma, a balança comercial com o Paraguai resultou em superávit de US$ 759 milhões para o Brasil nos primeiros sete meses de 2017. No mesmo período do ano anterior, houve superávit de US$ 492 milhões. A corrente de comércio entre os dois países foi de US$ 2,137 bilhão entre janeiro e julho de 2017, aumento de 21,2% em relação ao mesmo período do ano anterior, quando somou US$ 1,795 bilhão. O país foi o 23º com maior fluxo de comércio com o Brasil neste ano.

A pauta de exportações para o Paraguai é bastante desconcentrada. Os principais produtos exportados pelo Brasil ao Paraguai no ano corrente foram adubos (5,2%); máquinas agrícolas (3,8%); calçados (3,5%); veículos de carga (2,9%); automóveis de passageiros (2,6%); e cerveja de malte (2,6%).

Já as importações brasileiras do Paraguai concentraram-se em: jogos de fios para veículos (15,4%); soja (11,85%); arroz parboilizado (9%); carnes de bovinos (8%); trigos (8%); milho (7,6%); cobertores e mantas (4,5%); arroz não parboilizado (3,7%).

2016

Em 2016, as exportações brasileiras para o Paraguai diminuíram 10,2% em relação ao ano anterior, passando de US$ 2,4 bilhões para US$ 2,2 bilhões. As importações brasileiras do Paraguai cresceram 38,3% em relação ao ano anterior, passando de US$ 884 milhões para US$ 1,2 bilhões.

Diante desses números, a balança comercial com o Paraguai resultou em superávit de US$ 998 milhões em 2016. No ano anterior, houve superávit de US$ 1,58 bilhão. Por sua vez, a corrente de comércio entre os dois países foi de US$ 3,4 bilhões em 2016, aumento de 2,6% em relação ao ano anterior, quando a corrente de comércio somou US$ 3,35 bilhões.

Os principais produtos brasileiros exportados para o Paraguai em 2016 foram: adubos ou fertilizantes contendo nitrogênio, fosforo e potássio (6%); cerveja de malte (2,8%); maquinas e aparelhos p/uso agrícola (exceto trator) (2,8%); fumo em folhas e desperdícios (2,5%); inseticidas, formicidas, herbicidas e produtos semelhantes (2,5%); polímeros de etileno, propileno e estireno (2,2%); calçados (2,1%); preparações utilizadas na alimentação de animais (1,8%); pisos e revestimentos cerâmicos (1,6%); automóveis de passageiros (1,6%).

As importações concentraram-se em milho (18,7%); trigo (14,5%); carne de bovino (10,9%); arroz (10,4%); Fios para uso automotivo (10%); soja (9,6%).

FONTE: MDIC